Nov 12

No novo mundo do Trabalho, as funções do Ministério têm mesmo de ser repensadas e o sistema sindical perde sentido

Celso Ming, O Estado de S.Paulo 

 

Duas informações de natureza distinta, interpretadas por ângulos também distintos pelos veículos de comunicação, apontam para uma realidade nova, em parte já analisada nesta Coluna em outras oportunidades. Trata-se da revolução na área do emprego, que acontece não só no Brasil.

Primeira informação: o presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou que extinguirá o Ministério do Trabalho e distribuirá suas atuais funções por outros ministérios. Segunda informação: pesquisa do IBGE mostrou por meio dos levantamentos da Pnad Contínua que, em dois anos, os sindicatos perderam 1,5 milhão de associados. A nova realidade mostra que apenas 14,4% dos trabalhadores estão sindicalizados.

É um equívoco atribuir o fim do Ministério do Trabalho, depois de 88 anos de existência, apenas a medidas de contenção de despesas ou a mais uma decisão retrógrada do presidente eleito. Criado em 1930 para defender os interesses do trabalhador, esse ministério pouco tem realizado além de fornecer empregos para funcionários públicos, coordenar o reajuste do salário mínimo, cuidar da distribuição de carteiras de trabalho e executar outras tarefas, em geral burocráticas. Alguém consegue apontar realização mais relevante para o interesse público do que essas nos últimos 40 anos?

 

A queda das filiações a sindicatos tem a ver com as grandes transformações na área do trabalho em todo o mundo. A população já não quer propriamente emprego. Quer ocupação remuneradora, de preferência sem patrão. Ou seja, o trabalhador está buscando atividades por conta própria, em que ele mande em si mesmo ou, até mesmo, para a qual possa contratar outras pessoas.

As igrejas evangélicas têm empurrado seus fiéis para essa emancipação e para a busca autônoma de renda. Coincidentemente, os aplicativos digitais vêm criando novas oportunidades, especialmente no setor de serviços.

Ao mesmo tempo, a revolução tecnológica vai dispensando cada vez mais mão de obra. Mesmo com crescimento da atividade, a indústria não vai mais admitir funcionários na mesma proporção em que admitia há alguns anos. A forte robotização, o emprego crescente de Tecnologia da Informação e a revolução proporcionada pela indústria 4.0 estão dispensando mais e mais pessoal.

Enquanto isso, o varejo está se estruturando em novas modelagens, em que os antigos pontos de venda passam a ser apenas show rooms, os vendedores se transformam em tomadores de pedidos, os estoques são unificados em grandes centros de logística. Bastaria agora que uma Amazon passasse a distribuir jeans pela internet para que uma enorme cadeia de lojas de confecção perdesse fatias importantes de mercado.

Enfim, milhões de postos de trabalho vão desaparecendo ou sendo reciclados e, no processo, empurram os antigos empregados para atividades fragmentadas e/ou temporárias, que nada têm a ver com a relação de emprego tal como conhecemos. De cambulhada, ajudam a afundar as finanças da Previdência Social, porque se perdem as contribuições do empregador e, também, as do trabalhador.

Nessa nova cultura, ainda incipiente e altamente mutante, as funções do Ministério do Trabalho têm mesmo de ser repensadas e o sistema sindical perde sentido.

O fim da contribuição sindical obrigatória nada tem a ver com essa onda de desfiliação. Até porque a maioria dos sindicatos no Brasil havia se transformado em meros coletores de imposto sindical, que serviam mais para perpetuar a cartolagem de aproveitadores sindicais do que para defender os interesses do trabalhador.

As esquerdas tradicionais e cada vez mais míopes tendem a ignorar essas transformações. É uma das razões pelas quais continuam girando em falso como parafusos que perderam a rosca.

Nov 05

Ana Carla Abrão Costa*, Armínio Fraga** e Carlos Ari Sunfeld***, O Estado de S.Paulo

 

Já passou da hora de promover a reforma da administração pública brasileira. Desde 2013, a população clama por mais eficiência dessa máquina e por mais qualidade em seus serviços. Dentre as demandas legítimas, incluem-se melhorias em educação, saúde e segurança, cruciais em um país tão desigual. O Brasil ostenta a terceira pior distribuição de renda do mundo. Mais da metade da população depende do Estado para acessar condições melhores de vida. Só a educação de qualidade pode permitir que os filhos de famílias pobres atinjam níveis de renda superiores aos dos seus pais. Só o atendimento de saúde gratuito e adequado garantirá dignidade aos cidadãos que não possam pagar por planos privados de saúde. São também os mais pobres que dependem de um sistema eficiente de segurança pública, para evitar que os filhos sejam cooptados, ou mortos, pelo crime. 

Afora motivações de caráter distributivo, a reforma da máquina pública se justifica pela urgência em melhorar a produtividade da economia, estagnada há 20 anos, tendo inclusive caído recentemente. Não haverá como o Brasil crescer e gerar empregos sem elevar a produtividade do próprio setor público. As oportunidades nessa área são enormes e evidentes. A máquina, inchada e cara, falha em entregar serviços adequados em áreas cruciais como educação básica, SUS (apesar do avanço que representou), logística, mobilidade urbana e segurança. De acordo com a OCDE, os índices de satisfação com serviços públicos no Brasil situam-se entre os mais baixos do mundo, principalmente em educação e saúde, onde vêm declinando de forma contínua. 

 

Na tentativa de enfrentar as deficiências, são constantes em todas essas áreas as demandas por mais recursos. Isso se reflete em gastos públicos crescentes há décadas (como proporção do PIB). Os dados são surpreendentes e sugerem uma elevada ineficiência. As despesas com pessoal do Estado brasileiro (em todas as esferas) é alta na comparação com nossos pares na América Latina. De acordo com a OCDE, essas despesas, incluindo benefícios, atingem cerca de 13,3% do PIB (2% mais do que há 10 anos). Na Colômbia e no Chile, estão na faixa de 8,5%, no México, em 9%. Países avançados gastam em média 10,4%. A falta de recursos não parece ser, portanto, nosso maior problema.

Mas chegamos ao limite. O colapso fiscal que vivemos impede que se mantenha a trajetória de crescimento de gastos. A racionalização das despesas é necessária, em especial as obrigatórias, que hoje chegam a 98% do orçamento. 

O Estado brasileiro tem sido incapaz de justificar suas políticas públicas e de avaliar seus resultados. No âmbito da gestão de recursos humanos, cabe destacar que muitas categorias de servidores públicos ganham mais do que seus equivalentes na iniciativa privada. Faltam avaliações adequadas de desempenho desses servidores e também investimentos em capacitação, duas ferramentas básicas para valorizar quem presta bons serviços. E falta cobrar resultados concretos e dispensar quem, por anos seguidos, não tem desempenho satisfatório. 

Sem projeto. O Estado abre vagas sem planejamento e seleciona sem testar competências adequadas à função. Depois promove por critérios formais, de forma automática, e remunera sem vínculo com a produtividade. Em muitos casos, as condições de trabalho são péssimas. Com tudo isso, não há incentivos à oferta de serviços de qualidade. Ou seja, o atual modelo de funcionamento da máquina pública colapsou pelo elevado custo, pela ineficiência e, acima de tudo, pela incapacidade de garantir uma boa gestão de pessoas, principal requisito para a prestação de melhores serviços. 

Uma parte dos problemas está na Constituição de 1988, que adotou o regime estatutário como base do serviço público, fazendo com que a estabilidade nos cargos se tornasse a regra. Mas não é só. A competência legislativa em matéria funcional ficou pulverizada no Brasil pelos três níveis da federação. Assim, milhares de leis federais, estaduais e municipais foram multiplicando os problemas. Esse complexo sistema infraconstitucional, incontrolável, deu margem a que, ao longo do tempo, privilégios, proteções e garantias se tornassem regra. Essas leis – mais até do que a garantia constitucional de estabilidade – são responsáveis por boa parte dos atuais problemas e distorções. 

Tal sistema vem comprometendo os resultados, reduzindo a produtividade e influenciando no crescimento desordenado e vegetativo dos gastos com pessoal. Esse conjunto de leis – piorado pela captura corporativista dos processos internos – fez com que, na prática, o regime dos servidores conferisse proteção e benefícios em excesso, impedindo o uso efetivo de ferramentas de gestão de pessoas. Só no executivo federal, são 309 carreiras distintas, representadas por 267 associações. Em cada Estado esse número ultrapassa uma centena. Basta multiplicar por 27 e somar as carreiras dos 5.570 municípios para se compreender o tamanho do desafio. 

A revisão desse conjunto pulverizado de leis tem de ser, portanto, a chave de uma ampla reforma administrativa brasileira. Sem mexer nisso, será inútil mudar mais uma vez as regras constitucionais da estabilidade, o que já foi feito em 1998, sem resultado prático. 

Dada a autonomia federativa constitucional, essa revisão tem de ser feita nos três níveis da federação. Uma proposta objetiva seria começar pelo governo federal, tendo como primeiro pilar um projeto de lei complementar que estabeleça como regras gerais: 1) a exigência de planejamento global, formal e consistente da força de trabalho como condição para novos concursos públicos e novas admissões; 2) a obrigação de avaliação no mínimo anual do desempenho absoluto e relativo de todos os servidores públicos; 3) a proibição das promoções e progressões automáticas; 4) promoções vinculadas exclusivamente ao desempenho e no interesse do serviço público; 5) promoções condicionadas à existência de vagas no nível superior, as quais têm de ser em número muito limitado. 

Adicionalmente, como segundo pilar, há que se reduzir a complexidade e corrigir de forma definitiva os vícios e a excessiva pulverização de carreiras. Para isso, propõe-se criar nova carreira, de caráter generalista, no serviço público federal, nos moldes de estudos elaborados no Ministério do Planejamento.

Todas as novas contratações deveriam se dar nessa nova carreira, que paulatinamente assumiria as funções das atuais carreiras, terminando por substituí-las. Isso é capaz de corrigir as distorções de remuneração no setor público, alinhando os salários iniciais aos do setor privado e ampliando as distâncias entre estes e os vencimentos finais da carreira. O caráter generalista da nova carreira impediria que argumentos de desvio de função limitassem, como ocorre hoje, a mobilidade dos servidores entre diferentes órgãos ou funções. Nessa nova carreira, também não podem existir progressões e promoções automáticas. 

O terceiro pilar da proposta seria a extensão das soluções acima para os Estados e municípios, que são os principais provedores de serviços básicos e onde os potenciais ganhos de eficiência são ainda mais relevantes. Este é um capítulo bastante desafiador, dada a autonomia desses entes federativos. Essas reformas poderiam ser estimuladas por uma revisão da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Esta lei precisa de urgente ajuste quanto aos conceitos de despesa de pessoal, de forma a incorporar rubricas atualmente ignoradas nos cálculos. Um efeito imediato desse ajuste será tornar clara a realidade: a grande maioria dos entes subnacionais já não cumpre os limites previstos pela LRF. 

Nesse contexto seria razoável a criação de disposição transitória que autorize um período de reenquadramento de 10 anos, autorização essa que poderia ser condicionada à adesão à reforma da função pública segundo os pilares referidos. Como no caso federal, as inúmeras leis estatuais e municipais sobre a função pública teriam de incorporar a avaliação de desempenho, os impedimentos a promoções e progressões automáticas e a sua vinculação ao desempenho, além da obrigatoriedade de estudos de planejamento da força de trabalho como condição da abertura de novas vagas. Da mesma forma, também nesses Estados e municípios, as diversas carreiras seriam substituídas por carreira única, segundo os conceitos expostos acima. 

Finalmente, como quarto pilar, propõe-se uma ampla revisão e fortalecimento dos processos internos de gestão de pessoas, em particular quanto à instauração de processos administrativos disciplinares que, juntamente com as avaliações de performance, deveriam seguir modelos, critérios e obedecer a prazos que garantiriam a efetiva implantação das novas exigências legais. Além disso, dever-se-ia promover ampla transparência para que os resultados pudessem ser acompanhados e também avaliados.

Esforço inicial. Essas são as bases de uma reforma administrativa que poderia alterar de forma estrutural o funcionamento do Estado no Brasil. Embora complexa, dadas a amplitude e a pulverização das leis que ela visa a atingir, a reforma pode ser iniciada antes de qualquer alteração constitucional. De qualquer modo, ela exigirá do governo federal grande esforço de coordenação, sem o que sua implantação no nível subnacional, onde é mais necessária, jamais ocorrerá. 

Se o governo eleito não for capaz de, com clareza e consistência, iniciar a reforma do regime da gestão pública, estará comprometendo o possível sucesso de outras reformas, também urgentes, de que o país precisa para encontrar um caminho sustentável para o desenvolvimento social e econômico.

 

 

 

 

 

Set 04

Até mesmo juízes do Supremo que votaram contra a terceirização irrestrita aferraram-se ao conceito da precarização do trabalho, mas não ter trabalho é mais precário.

 

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2018 | 17h00

 

Certas expressões são tão repetidas que passam a ser consideradas verdadeiras, sem que antes seu significado tenha passado por um mínimo de análise crítica.

 

Carteira de trabalho: seguro-desempregoCom o mercado de trabalho ainda cambaleante, desalento bate recorde Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Uma dessas expressões é a tal precarização do trabalho. Até mesmo juízes do Supremo que votaram contra a terceirização irrestrita aferraram-se ao conceito da precarização do trabalho, que acontece, justificaram eles com exibição de estatísticas, nas condições do emprego terceirizado.

 

Antes de prosseguir, vamos ao enunciado-síntese da Coluna. Precarizadas são as condições do atual mercado de trabalho, situação que não é apenas a do Brasil. Mais precarizados do que os postos de trabalho em empresas terceirizadas é o desemprego, que hoje alcança 12,9 milhões de trabalhadores mais 4 milhões entregues ao desalento no País.

 

Quem usa o argumento da precarização, em geral, faz a comparação errada. Emprego não precarizado, para essa gente, é o da minoria contratada por grandes empresas, em geral estrangeiras, que garantem todos os benefícios da lei mais alguns. E não a situação da grande massa de trabalhadores brasileiros.

Quase sempre, os sindicatos cuidam dos interesses dessa minoria que goza de empregos de qualidade e não liga a mínima para os desempregados e subempregados. Lutam por melhores salários e melhores condições de trabalho dos que participam dessa elite sindicalizada, e não pela melhora de vida dos que estão ralando por aí.

O processo de inserção do brasileiro no mercado de trabalho está longe da conclusão e, no entanto, todo o sistema enfrenta hoje dois impactos enormes de outros dois fatores adversos. O primeiro deles é o avanço da economia asiática, especialmente chinesa, que vai dizimando empregos e salários no mundo.

O segundo fator é impressionante crescimento da utilização da automação intensiva e da tecnologia digital, que está dispensando mão de obra, em setores até recentemente altamente empregadores de pessoal, como o comércio, os bancos e a construção civil.

Não é mais verdade que o aumento da oferta de postos de trabalho depende apenas do crescimento econômico. O Brasil e outros países poderão voltar a exibir PIBs portentosos e, no entanto, o emprego não crescerá na mesma proporção. Não há solução satisfatória para esse fenômeno socioeconômico com graves consequências políticas.

O mercado de trabalho brasileiro enfrenta agora problema semelhante ao do ensino. Nos anos 60, acusaram o então governador de São Paulo Abreu Sodré de ter provocado a deterioração do ensino público no Estado. Ele respondeu algo como: “A prioridade foi dar escola para todos, o que foi cumprido. Nessas condições, não dá para garantir a mesma qualidade do ensino para todos.”

Pergunta: é mais importante proporcionar algum avanço do emprego, ainda que em condições precarizadas, ou continuar exigindo excelência das condições de trabalho quando há tanto desemprego e quando o Brasil (e o mundo) passa por transformações rápidas que provocam grande dispensa de mão de obra 

Ago 31

Hoje, a dúvida é se o pior da crise na Turquia já passou ou se ela ainda vai se agravar

Paulo Leme, O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2018 | 05h00

Com 80 milhões de habitantes e um PIB de US$ 850 bilhões, a Turquia é duas vezes e meia menor do que o Brasil e o seu PIB representa apenas 1% da economia mundial. Apesar do seu tamanho, a Turquia sempre foi peça vital do delicado equilíbrio geopolítico da região.

Em julho de 2016, a Turquia sofreu um golpe de Estado que, apesar de frustrado, deixou duas sequelas: o governo do presidente Erdogan adotou um programa econômico heterodoxo que faz lembrar a matriz econômica do governo de Dilma Rousseff e prendeu o pastor evangélico americano Andrew Brunson por seu envolvimento no golpe.

Para estimular a economia, a Turquia usou políticas fiscais e de crédito expansionistas, enquanto o setor privado financiou os gastos com dívida externa de curto prazo. O crescimento do PIB dobrou para 7,4% e a inflação triplicou para 15,9% em julho de 2018. O déficit em conta corrente aumentou para US$ 57 bilhões, enquanto as necessidades de financiamento externo cresceram para US$ 225 bilhões. Metade dessa cifra corresponde a vencimentos de dívida de curto prazo, o que é alto se comparado com reservas internacionais de US$ 101 bilhões, deixando a Turquia refém do mercado.

 

Tudo ia bem até o dia 9 de agosto, quando a Turquia mergulhou numa crise cambial que se alastrou para os mercados emergentes e desenvolvidos. O estopim da crise foi o impasse entre os Estados Unidos (que exigiam que Brunson fosse posto em liberdade) e a Turquia (que exigia a repatriação do líder religioso Fethullah Gülen). Tudo foi por água abaixo quando Donald Trump disparou no Twitter sanções comerciais contra a Turquia.

Os mercados emergentes reagiram mal e a lira Turca despencou 30%, arrastando consigo principalmente o rand sul-africano e o peso argentino. A crise também afetou os mercados globais, causando a venda de ativos de risco e a compra de títulos do Tesouro americano, apreciando o dólar contra as outras moedas. No Brasil, o real se desvalorizou 6% e a Bolsa caiu 5%.

Desde então, a Turquia dificultou a venda da lira a descoberto e anunciou uma linha de crédito de US$ 15 bilhões do Qatar, o que permitiu a recuperação parcial da lira e estabilizou os mercados internacionais. Hoje, a dúvida é se o pior da crise já passou ou se ela ainda vai se agravar, contagiando novamente as economias emergentes e o Brasil.

O pior ainda está por vir na Turquia. Erdogan enfrenta obstáculos políticos internos e externos, o que lhe impedirá de tomar, no curto prazo, as mesmas medidas que a Argentina tomou em junho de 2018, quando anunciou um programa de estabilização econômica amparado por um acordo de US$ 50 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI).

No entanto, há quatro razões pelas quais a Turquia não oferece risco sistêmico para o mercado financeiro global. Primeiro, sua participação nos fluxos de comércio internacional é modesta. Segundo, apesar de alguns bancos europeus serem credores da Turquia, o sistema bancário europeu está bem capitalizado e eventuais perdas seriam pequenas comparadas ao seu patrimônio. Terceiro, a participação da Turquia nas carteiras de ações e renda fixa em mercados emergentes é pequena (0,7% e 4,8%). Quarto, como a lira vinha se desvalorizando antes da crise, os investidores já tinham reduzido sua exposição à Turquia.

O Brasil está bem protegido contra a crise na Turquia porque seu déficit em conta corrente é pequeno (0,7% do PIB); a dívida externa de curto prazo é um sexto das reservas internacionais (US$ 380 bilhões); e as necessidades de financiamento externo para 2018 são administráveis.

No entanto, o Brasil está exposto à volatilidade dos mercados financeiros globais, principalmente se ela for causada por eventos políticos ou monetários nos Estados Unidos e notícias vindas da China e da Europa. Quando o Banco Central cortou a Selic a 6,5%, o real passou a ser um veículo barato e líquido para o investidor se proteger contra a exposição a outras moedas emergentes. Além disso, o Brasil é vulnerável à volatilidade financeira porque o resultado das eleições de outubro é incerto e a sua dívida pública interna é alta. Por isso, o real seguirá volátil até que o próximo governo ancore as expectativas do mercado com um programa econômico sólido visando a solvência fiscal e a retomada do crescimento em 2019

Jul 30

 

O Estado de S.Paulo                                                                                                                     

Finalmente, começa-se a avançar na solução do problema da judicialização da saúde, que se agravou muito nos últimos anos.

Finalmente, começa-se a avançar na solução do problema da judicialização da saúde, que se agravou muito nos últimos anos e acarreta distorções no atendimento à população e sérios prejuízos aos cofres públicos. Embora ainda falte um bom caminho a percorrer nesse sentido, vem crescendo o número de magistrados que recorrem ao sistema de informação técnica, criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para orientar suas decisões sobre medicamentos e tratamentos – que não constam da lista do Sistema Único de Saúde (SUS) ou então são mais caros do que os oferecidos por ele –, cujo fornecimento gratuito é solicitado à Justiça.

Uma ideia precisa das dimensões do problema foi dada em dezembro passado pelo secretário executivo do Ministério da Saúde, Antônio Nardi, durante audiência pública no CNJ. Segundo ele, a União, os Estados e os municípios gastam por ano cerca de R$ 7 bilhões para cumprir aquele tipo de decisões judiciais. Entre 2010 e 2016, o número de ações judiciais sobre pedidos de medicamentos aumentou 1.010%, o que mostra a velocidade com que a questão se agrava. Quando se trata de judicialização da saúde, disse Nardi, é preciso levar em conta tanto os custos dos medicamentos solicitados como os benefícios que eles produzem e o número de beneficiários de cada decisão tomada.

Foi a falta de um equilíbrio adequado entre esses três elementos que levou à situação em que o alto custo das decisões judiciais sobre fornecimento gratuito de medicamentos acaba com frequência beneficiando uma minoria de pacientes em prejuízo da maioria que necessita de outros tratamentos igualmente importantes e urgentes. Como uma das razões disso é a falta de informação adequada dos magistrados a respeito dos medicamentos sobre os quais devem tomar uma decisão, o CNJ decidiu criar em 2016 um serviço específico para suprir essa deficiência.

São os Nat-Jus – fruto de parceria do CNJ com o Ministério da Justiça –, que produzem um cadastro nacional de pareceres, notas e informações técnicas para dar aos magistrados fundamentos científicos para decidir se concedem ou não o medicamento ou tratamento médico a quem aciona a Justiça. Quem articula a rede de Nat-Jus é o Hospital Sírio-Libanês. Seu diretor de Ensino e Pesquisa, Luiz Reis, explica que os estudos produzidos sobre medicamentos e tratamentos são armazenados pelo CNJ num sistema informatizado que pode ser consultado por magistrados de todo o País.

Com base na experiência do juiz federal Gabriel von Gehlen, que atua em vara especializada em casos relacionados à saúde, em Porto Alegre, reportagem do Estado mostra como o Nat-Jus funciona na prática e também as difíceis escolhas que os magistrados têm de fazer. Foi com a ajuda desse serviço que ele descobriu um medicamento muito mais barato e tão eficiente quanto o solicitado. Mesmo assim, “não é fácil decidir, porque o argumento da petição é de vida ou morte: sem o tratamento o paciente morre”.

E toca depois no ponto central do problema da judicialização da saúde: “Ao fazer justiça no caso concreto, acaba-se fazendo uma injustiça global, porque vai faltar dinheiro em outra ponta. O juiz precisa se dar conta dessa carência de recursos”. Em outras palavras: ao atender ao pedido, por mais justo que seja, de um medicamento ou tratamento – em geral caríssimo e em muitos casos inexistente no País –, pode-se ao mesmo tempo salvar um paciente e condenar muitos outros, porque o cobertor da saúde é curto, não dá para todos. A dura, mas inescapável realidade é que os R$ 7 bilhões gastos anualmente com a judicialização da saúde podem causar mais mal do que bem.

Outra medida importante para ajudar na solução do problema foi tomada pela 1.ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ): o estabelecimento de regras, já em vigor, com exigências a serem seguidas pelos que impetram ações para a concessão gratuita de medicamentos e tratamentos, que devem reduzir bastante seu número.

São bons sinais.

Página 1 de 2